O que é Saneamento Inclusivo?

O saneamento inclusivo é uma abordagem que busca garantir o atendimento de esgoto a todos, independente do contexto de ocupação do território, localização e perfil socioeconômico. 

Num contexto em que grande parte dos brasileiros ainda não possuem atendimento adequado de esgoto, muitos dos quais vivendo em agrupamentos urbanos precários, periurbanos ou pequenos municípios, o repertório para impulsionar avanços em direção à universalização do acesso ao esgotamento deve ser diverso e adaptável às condições locais. Diante da diversidade de contextos territoriais no Brasil, a dependência excessiva de um único modelo de atendimento de esgoto, no caso sistemas centralizados convencionais, acaba por restringir avanços e dificultar a universalização.

No Brasil, as desigualdades e assimetrias que caracterizam o acesso ao esgotamento sanitário estão intimamente relacionadas a questões culturais e territoriais. Os sistemas convencionais de esgoto não se mostram financeira ou tecnicamente viáveis em todos os contextos de ocupação do país e, em muitos casos, envolvem custos e infraestruturas pouco compatíveis com as condições locais. Ao mesmo tempo, existe um amplo e diversificado repertório de soluções que podem ajudar a cumprir o propósito do manejo de esgotos, muitas das quais são mais vantajosas do que sistemas centralizados, a depender do contexto local. 

Assim, a abordagem do saneamento inclusivo busca um repertório diversificado de soluções, e que estas sejam capazes de oferecer sistemas adaptados e efetivos aos diferentes contextos. No âmbito de soluções estruturais, contempla tanto sistemas centralizados como descentralizados e semi-centralizados, levando em conta tanto tecnologias industriais como sociais. Considerando os interesses e condições locais como centrais na definição das soluções, este caminho pode se mostrar mais viável e eficiente, aproximando o planejamento do setor às urgências da questão.

Consequentemente, é condição fundamental para o desenvolvimento sustentável.  Por isso, a universalização dos serviços de abastecimento de água potável e de esgotamento sanitário compõem os objetivos da agenda para o desenvolvimento sustentável da Organização das Nações Unidas.  No IAS, nos movemos para reverter os entraves que existem no caminho rumo a este objetivo.

Hoje, apenas 48% dos domicílios brasileiros têm acesso à coleta e tratamento de esgoto ou soluções individuais apropriadas de tratamento, de acordo com dados do Plano Nacional de Saneamento (Plansab). A diferença marcante nas formas de uso e ocupação do solo no país, somada à intensa e rápida concentração populacional nos centros urbanos, demandam soluções ágeis e adequadas aos contextos locais.

Por tudo isso, esperamos que, o conhecimento reunido nesta plataforma, inspire experiências locais Brasil afora, fortalecendo cada vez mais os projetos de saneamento da sociedade civil, de governos, comunidades locais e prestadores de serviços.

Saneamento básico é direito humano, política pública e serviço essencial

Sobre o IAS

O Instituto Água e Saneamento (IAS) é uma organização civil sem fins lucrativos sediada em São Paulo (SP). Fundado em abril de 2019, o IAS busca somar esforços para garantir a universalização do saneamento no Brasil, especialmente para ampliação do acesso ao esgotamento sanitário.

Sobre esta plataforma

No IAS, nós acreditamos que entre os obstáculos que atrasam o saneamento no Brasil, um dos mais difíceis de contornar é a enorme desigualdade de acesso entre regiões, tipos e tamanhos de cidade, áreas rurais e urbanas, poder aquisitivo e regularidade de ocupação do território.

Por isso, entendemos que boas soluções são aquelas que consideram a realidade local, as condições existentes em cada região, as práticas culturais e a viabilidade orçamentária. Promover o saneamento inclusivo, nesta ótica, é necessariamente incidir de baixo para cima. 

Por isso, esta plataforma foi criada como fruto de um esforço que busca elevar o nível e a acessibilidade dos conhecimentos acerca das diferentes formas de atendimento de esgoto, enfocando metodologias, ferramentas, apresentando projetos-piloto e conectando atores a localidades onde há demanda por soluções inclusivas.